quinta-feira, 7 de maio de 2015

:: Ensaio sobre a ironia


Existe uma coisa que vocês não sabem sobre a minha pessoa: eu tenho um problema de timing. Uma falta de sincronia para com o universo, tipo todo mundo indo e eu voltando. Perco o timing de piadas, perco o fio da meada nas conversas, perco as mudanças do horário de verão e curto postagens de facebook da semana passada. Sabe esse tipo de gente? Inclusive fiz uma camiseta com a frase I have bad timing quando tinha vinte e tantos anos (e até nisso eu perdi o timing, deveria usar camisetas toscamente customizadas até os dezenove no máximo, correto? Enfim.)

Mas às vezes confundo meu timing inadequado com ironia cósmica. Como nesse episódio que vou contar, em que não sei onde termina um e onde começa outro.


Eu tenho esse blog há oito anos. São oito anos pensando assim: puxa, já pensou se isso aqui vira livro, que incrível seria?

Também eu tenho uma filha há sete anos. E um filho há quatro. Ambos bem nutridos, bem cuidados e relativamente limpinhos. Nada de grandes sustos até aqui.

Um dia recebo um email e acontece de o blog poder virar livro. Tema: "maternidade relax". Mas tem que ser vapt-vupt, temos basicamente um mês para fechar tudo. Topa? Topo, claro! Yay!

Então vejamos: tenho oito anos de blog, sete anos como mãe e um mês para fechar o livro. Tudo muito bom, tudo muito bem, vem o destino e PÁF! na minha cara.

Porque foi nesse exato mês que o Lucas se estabacou no chão e eu, que andava orgulhosamente relax, resolvi a questão basicamente assim: Caiu ali, filho? Foi nada, tá ótimo, toma aqui esse picolé e vai brincar, beijo! - e ele foi, ué. Só oito dias depois a gente notou uma envergadura esquisita entre punho e cotovelo e se deu conta de que o braço estava quebrado. Bote relax nisso, né não, minha gente? Ou negligente, podem escolher.

Notem que a criança teve quatro anos para desempenhar a performance "quebrei o braço tô-nem-aí sigo vivendo normalmente", correto? Quatro anos e sete meses, para ser exata. Mas foi acontecer justo meu momento MÃE RELAX OSTENTAÇÃO, claro. Bad timing define? Ironia marota redefine?

Em nossa defesa, devo dizer que foram oito dias absolutamente normais, nos quais o Lucas foi para a escola, brincou de ataque ninja, fez natação (ju-ro!). Não houve dor, inchaço, nada. O pobre estaria quebradinho até agora não fosse o braço entortar feito uma banana para enfim esfregar a fratura nas nossas fuças desatentas. Fomos de uma visitinha rápida ao PS para um raio-x ("só pra tirar a dúvida") a uma cirurgia de emergência. Lu ganhou passeio de ambulância, fios de titânio no braço, gessos coloridos e uma história divertida para contar. Nós, os pais, ganhamos olhares cho-ca-dos de toda uma sociedadji e novos cabelinhos brancos para a coleção. E eu ainda ganhei um capítulo deveras constrangedor sobre maternidade relax para colocar no livro (mas preferi não, hoho!).


Agora segue uma pequena fotonovela ilustrativa cujo objetivo é fazer crer que, se fosse na sua casa, você também teria dado um picolé e mandado a cria ir brincar…


Esta criança está de braço quebrado há 8 dias, alguém diria?

...Ela inclusive foi numa festinha e achou que seria boa ideia tatuar um cavalo bem em cima da rachadura. 

O braço segue quebrado, mas foi imobilizado no PS (notem a cara de dor).

O braço quebrado vai dar um rolê de ambulância. Pobre Lucas, que dia difícil ele está tendo!

Agora o braço não está mais quebrado, mas ganhou fiozinhos de titânio e gesso listradinho. Lucão curtiu isso!

Azulzinho 

Verdinho, logo após a retirada dos fios. (Efeito colateral curioso: ele agora é canhoto.)

Tchau gesso, oi braço magro e chulezento. Fim! 
(...E essa foi, de longe, a pior cara do Lucas desde o tombo.)



Conclusão: osso de filho quebrado e não-detectado, quem nunca? 

Né? ;)

Feliz maternidade relax, gente!


16 comentários:

  1. Li no feed mas tive que vir comentar. JE-SUS!

    ResponderExcluir
  2. Rindo muito com a sua pequena tragédia (ou não) maternal. Desculpaeee

    ResponderExcluir
  3. Rindo muito com a sua pequena tragédia (ou não) maternal. Desculpaeee

    ResponderExcluir
  4. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk eu ri né. Ele tá enorme e lindo e pelas fotos bem feliz também rs.!

    ResponderExcluir
  5. sei que não é motivo de comemoração, mas, enfim, eu fiquei feliz que tu voltou a escrever no blog :)

    Sobre o Lucas: te entendo por 2 razões. Uma: estas crianças tem uma energia nível infinito. Me corrija se estou enganada, mas aqui em casa é assim, o tempo todo correndo, o tempo todo caindo, o tempo todo levantando e correndo e caindo de novo... E em segundo lugar: não sei se existe razão científica para isso, mas os guris (me parece, não posso dizer que todos) tendem a fazer uma firula maior quando se machucam. Ou seja, se ele caiu, levantou e esqueceu do tombo, logo, era de se imaginar que não fosse nada. Hahahahahahahaha... totalmente compreensível. Atire a primeira pedra a mãe que não faria a mesma coisa neste caso. :) Beijos

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  7. Uau, que história! Rsrsrs
    Estou aqui, pesquisando sobre blogs de maternidade, e o primeiro que leio é o seu, com esse post, que não sei se comento, "que dó, quebrou o braço" ou "que bom que ele não sentiu dor"... Rsrsrs
    Bom, vou te seguir...
    Criei um blog semana passada sobre ser mãe também... é o http://mamaedocura.blogspot.com.br/
    Beijos! :)

    ResponderExcluir
  8. Menina, que história! Cabelos brancos com 20 e poucos (cof cof) anos: yes, we have!

    Beijão e melhoras aí!

    ResponderExcluir
  9. Se te conforta, meu filho quebrou o dedo e também diz dessas: vai brincar. Passou o feriadão no sítio pulando numa cama elástica, piscina, jogando bola e eu passando gelol no dedo pq tava roxinho! O meu pensamento era o seguinte: se tivesse quebrado ele não estaria aguentando de dor. Na volta para casa me deu um estalo e resolvi passar no hospital. Resultado: quase um mês engessado. Por sorte não precisou de cirurgia.

    ResponderExcluir
  10. Menina, e eu achava que era só comigo...
    Sabe que comigo aconteceu a mesma coisa quando era criança? Cai, trinquei o joelho e minha mãe me mandou tomar um sorvete.
    Ela percebeu que quando me carregava de um lado eu chorava, mas até aí, machucado dói por alguns dias né...
    Quase 2 semanas depois resolveu levar ao médico (por desencargo de consciência) e aí que o médico viu que tava trincado, mas já tava até colando sozinho...nem precisei engessar e vivo muito bem até hoje!
    Fica tranquila que ele vai ficar bem!! haha

    ResponderExcluir
  11. Gata, o meu quebrou o dedo. Do meio. Sendo goleiro numa pelada. Ficou DOIS meses sem uma reclamação. Veio aquela avó com a boca preta falar que "esse dedo está quebrado", a mãe justifica dizendo que os próprios dedos todos são tortos. Mas a mãe fica com aquilo na cabeça e leva a criança ao PS. Lá chegando é obrigada a falar que já faz uns dias. Quantos? Ah, sei lá.. um mês. (hauahuahuahuah) radiografia e PAF! Quebrado em dois lugares. Calcificados tortos e vida que segue que ninguém tava disposto a arrumar dedinho (juro que ficou mais parecido com os meus agora - chupa, pai da criança). UAHuAHuAHuAHAU É nóis!! <3

    ResponderExcluir
  12. Renda extra com produtos web incríveis

    Venha fazer parte de uma empresa que é campeã no segmento de tecnologia e tem criado tendências. É sua grande oportunidade de gerar renda extra com marketing multinível de produtos web incríveis: sites, lojas virtuais, sites para imobiliárias, sites para venda de veículos, entre outros, acesse nosso site; http://www.gorilapro.com.br/

    ResponderExcluir

Related Posts with Thumbnails