quarta-feira, 8 de julho de 2009

:: Viajando sem bebê - ou "Amor, acho que esquecemos de trazer alguma coisa..."


Eu prometi contar sobre a nossa primeira viagem sem Alice, mas a verdade é que foi tudo tããão tranquilo que é até um certo anticlímax vir aqui pra dizer: ah, foi tudo bem, ué. Mas aí lembro que tudo bem na impensável equação que envolve "meu filho lá e eu aqui" é algo enorme e que merece ser contado - mesmo que não tenha assim grandes emoções.

Pois bem: Fomos. Meus pais estão aqui em Paris e Alice ficou com eles. Viajamos quarta, voltamos sexta cedo e ela mal se deu conta ficou bem. Pra gente é que foi esquisito viajar sem nenê, carrinho, cadeirinha, fraldas, brinquedos, livrinhos, mamadeiras, comida de bebê... a bagagem era tão leve que parecia que estávamos indo dormir na casa do vizinho. 

Mais esquisito ainda: fizemos programas de adulto, gente! Teatro, restaurante, passeios sem rumo e sem hora pra acabar. E acordar tarde e ficar enrolandinho pra levantar (alguém lembra como era isso?)? Sensacional! A saudade foi administrável e o skype manteve acesa a chama da paixão (porque acho que não tem pai e mãe de bebê que viaje sem o medinho de ser esquecido pelo filho...). 

Aí a gente voltou, agarrou um bocado a Alice, ela ficou um pouco (pouco mesmo) colentinha e manhosa por um dia ou dois, e pronto. Sobrevivemos todos. Foi bem mais fácil e indolor do que eu tinha imaginado, e acho que esse climinha de lua-de-mel faz muito bem pra casais com filhos pequenos, porque bobeou a gente acaba perdendo o foco no outro e vira só pai-e-mãe. Enfim, recomendo muito - e tô louca pra repetir. 

14 comentários:

  1. Nossa, bateu uma vontade enorme de fazer o mesmo. Mas, com as duas famílias morando longe, isso é tão difícil. O que nos salva é a babá noturna, que chamamos de vez em quando para fazermos programas de gente grande.

    ResponderExcluir
  2. É exatamente isso, Mari. A gente sofre muito mais do que eles. Passei quatro dias em NY há uns 2 ou 3 meses e deixamos a Luísa em casa. Contei lá no blog também. Ela ficou ótima com a minha mãe em casa e nós também conseguimos lembrar os velhos tempos de viajar sozinhos.
    Depois que a gente faz isso pela primeira vez e não morre, fica mais fácil fazer de novo. É bom pra todo mundo. Beijos
    PS. E que bom que deu certo o peniquinho pra Alice também. Você também ficou emocionada, como eu? :-) bjs

    ResponderExcluir
  3. AI que bom que foi tranquilo. Eu ainda não tenho coragem, mas quem sabe quando ele estiver mais crescidinho e já souber falar ao telefone, né??? rs!
    Nossa, dormir até mais tarde deve ser tudo, pq eu juro que esqueci como é...rs!
    beijinhos

    ResponderExcluir
  4. Minha mãe sempre falva que não conseguia sair de casa sem mim. uma vez, eu era bem pequena, ela me deixou na casa da minha madrinha e não via a hora de me buscar. Falou que faltava um pedaço dela, mas no fim todo mundo sobreviveu, embora ela não tenha repetido a experiÊncia muitas vezes. Acho que eu vou ser mais desencanada quando chegar a minha hora. Ou não... hahahahaha
    bjo.

    ResponderExcluir
  5. ah sim, faz bem pra todo mundo! A gente fica assim, jurando que eles vão morrer e sofrer, mas que nada...
    Ano passado fizemos o mesmo com Abandonack, por 2 semanas! Chorei que nem uma retardada mas ficar coladinho na cama e não ter hora pra comer, dormir ou nada é uma delícia de vez em quando.

    Beijin,
    Keiko

    ResponderExcluir
  6. putz... acabei de cancelar uma viagem para fortaleza, eu ia sozinha... mas tudo tem seu tempo, bom saber que deu tudo super certo, porque é bom demais curtir uma lua de mel de vez em quando! ainda mais em londres, ainda mais vendo hamlet com jude law... afe!

    ResponderExcluir
  7. Mari,
    vc é tuuuuuuudo de bom! Da próxima, venham pra cá! (e podem trazer a Alice praq eu ficar com ela. E pode ter certeza que on va s'amuser beaucoup!)
    Bjos

    ResponderExcluir
  8. Ai, Mari, que delícia, hein???

    Beijo, fofucha!

    ResponderExcluir
  9. Mari, parabéns!!!! Vc passou no estágio dois do "cortando o cordão umbilical"! rs. O estagio 1 foi o literal, o dois, conseguir ficar longe da cria por mais de 24 hrs. Agora não me pergunta qtos estágios serão pq, menina, acho q não tem fim! rsss. De qq forma, temos de celebrar cada vitória, né?! E q mtas vitórias mais venham! Bjos, Cau (a q continua tendo a mãe como uma de suas melhores amigas apesar dela ter ensinado a chamar o orgão sexual feminino de bumbum da frente!)

    ResponderExcluir
  10. Ai, Mari... E 16 dias será que eu dou conta? Torce por mim aí. Estamos indo na segunda...

    Bjos

    ResponderExcluir
  11. Rebeca após ler comentários9 de julho de 2009 14:28

    Peraí...piniquinho? A Alice saiu das fraldas? Conte tuuuuuudo.

    ResponderExcluir
  12. Mari, fui viajar a trabalho na semana passada e hoje mesmo fiz um post sobre saudade. A Laura ficou ótima com o pai por dois dias e quando voltei parecia uma carrapatinho!

    ResponderExcluir
  13. Que bom ler esse teu post, Mari!
    Eu ainda não consegui fazer essa proesa...
    Mas,valeu a dica! Vou pensar seriamente nessa possibilidade....Acredita q Marina com 2 anos e 9 meses nunca dormiu fora de casa??rsrsrs
    Beijos

    ResponderExcluir
  14. É isso aí !
    Aqui em casa a gente tá louco prá experimentar como é fazer tudo COM um bebê junto, pq cansamos da vida de não ser pai e mãe, mas tenho certeza absoluta que, quando o bebê chegar, teremos uma vontade louca de ter um tempo só nosso, viajar e curtir um pouco à sós, mesmo com toda a saudade do pequeno !
    Bjs.

    ResponderExcluir

Related Posts with Thumbnails